Home / Notícia / Detalhes



Contribua - Plano Salvador

9 Respostas

  • Thiago Silva - 04/10/2015 09:29

    O link para o documento "(21/09/2015 11:47) Estudos Sobre Formas de Ocupação Urbana nas áreas da Orla Marítima, Horto Florestal e Caminho das Árvores em Salvador, como contribuição institucional da ADEMI BA à revisão do PDDU 2015 " é do WETRANSFER e já está expirado, ou seja, não é mais possível baixar o arquivo. Peço que disponibilizem novo link para que seja possível acesso público.

    • Plano Salvador 500

      Olá Thiago, obrigado pela sinalização. Estaremos resolvendo.

    • Plano Salvador 500

      Prezado Thiago, já se encontra disponível um novo link para download do referido documento. Atte.

  • Pablo Vieira Florentino - 02/10/2015 14:18

    Caros, O Fórum CicloSalvador entregou um documento com mais de 500 signatários e diversas justificativas onde propunha a garantia de 15% para o sist. CicloViário do FUNDURB. Este documento foi entregue na última audiência, em Setembro, na Boca do Rio. Temos o canhoto do recebido. No entanto, mais de dez dias depois, nada foi publicado na Biblioteca do portal para o PDDU/Plano 500. Esta foi a única iniciativa coletiva da sociedade civil organizada, com amplo apoio popular, apresentada até a presente data. Quando a mesma será incluída na biblioteca virtual como uma contribuição, considerando que o documento apresenta uma serie de justificativas legais para tal pleito ? O Fórum agradece.

  • Pablo Vieira Florentino - 02/10/2015 14:08

    Caros, Ciclo Saudações. O Fórum CicloSalvador esteve presente na última audiência pública e entregou documento com signatários e diversos relatos de apoia à campanha por mais recursos para o sistema cicloviário através do FUNDURB. Uma iniciativa da sociedade civil organizada e de participação popular ampliada, sem haver, até o momento, qualquer iniciativa de participação popular desta natureza, com estas características que a legitimam. No entanto, a contribuição ainda não foi publicada na Biblioteca do portal do Plano 500 como uma das propostas. Gostaria de saber quando isso vai acontecer. O Fórum Ciclo Salvador agradece.

  • Maria Cristina Rabello Santedicola - 02/10/2015 11:24

    Gostaria de sugerir 2 ações na área ambiental: (1) implantação de Unidades de Recuperação Energética (URE) para o lixo urbano, a exemplo do que está sendo implementado em Barueri-SP, cuja essência consiste em gerar energia (térmica-vapor) a partir do lixo; (2) estabelecimento de prazos para o órgão ambiental se pronunciar após receber os documentos requeridos aos empreendedores; não é justo que os empreendedores tenham prazos a cumprir e fiquem indefinidamente à espera do posicionamento de cada órgão ambiental.

  • João Pena - 02/10/2015 00:32

    Carxs coordenadores do Plano 500, Gostaria de dizer que o prazo dado para que a população leia a minuta, compreenda seu conteúdo, relacione isso com sua realidade no bairro e na cidade e, então, propor alterações ou sugerir elementos novos é extremamente curto. Trata-se se um texto demasiado longo, cuja linguagem técnica (jurídica, arquitetônica e urbanística) requer um tempo mais extenso se quisermos que a população de fato contribua. E queremos! Esse conteúdo denso é difícil de ser apreendido até pelas pessoas da área do urbanismo nesse prazo que foi dado, pois todxs temos muitos afazeres na vida. Nesse sentido, solicito que a coordenação reveja isso, no sentido de propiciar uma real contribuição pela população. Minha sugestão é que as próximas audiências já marcadas para semana que vem sejam para dar conhecimento do conteúdo da minuta, bem como tirar dúvidas e que sejam marcadas outras posteriormente para que as pessoas proponham alterações, ou melhor, para apresentar as propostas feitas após a leitura. Além disso, sabemos que nossa cidade tem problemas de mobidade e de acesso ao transporte público, pois muitxs não dispõem de, pelo menos, 6 reais para ir a audiênciaque, embora seja no Centro, é distante para muitas, muitas pessoas. Assim, também solicito e sugiro que as audiências ocorram de modo mais distribuído pela cidade, tomando as prefeituras-bairro como referencial, por exemplo. Eu gostaria que houvesse uma audiência no Cabula, onde moro, e tem espaços adequados, como o Teatro Uneb. Espero que avaliem as sugestões e solicitações e revejam o cronograma de atividades. Atte.

  • Leonardo Brandão Araújo - 01/10/2015 10:35

    A sociedade soteropolitana foi surpreendida com a retirada do parque ecológico do vale encantado da condição de unidade de conservação para o status de parque urbano, onde a proteção jurídica ambiental é menor. P parque ecológico do vale encantado com aproximadamente 100 hequitares atua como um grande pulmão verde para as áreas da avenida paralela e adjacências e consiste também num dos últimos remanescentes de vegetação da mata atlântica na cidade e um importante atenuador do no clima urbano. A beleza e a importância do vale encantado foi reconhecida pelos legisladores ambientais do PDDU de 2008 e também pelo poder executivo municipal na gestão passada.. Assim, não faz o menor sentido alterar a natureza jurídica do referido parque sem nenhum estudo técnico ou justificativa fundamentada. Considerando o exposto, solicitamos a RETIRADA do parque ecológico vale encantado do artigo 228 da minuta do PDDU onde o mesmo consta como parque urbano para que passe a integrar o subsistema de unidade de conservação de PROTEÇÃO INTEGRAL. REGISTRE-SE. Quais foram os estudos técnicos que motivaram o município a mudar o regime jurídico do parque vale encantado de unidade de conservação para parque urbano, on de há um lazer ativo com prática de esportes e atividades recreativas que vão além da contemplação do belo. Atividades estas, que não são compatíveis com a proteção necessária desta importante área da mata atlântica? Possuímos em mãos um estudo científico onde se constatou neste parque a existência de 03 espécies em extinção: o ouriço cacheiro, a preguiça de coleira e a jaguatirica. Como o município pretende preservar estas espécies se o parque ecológico for transformado em parque urbano, onde se permite a prática de esportes, lazer e atividades recreativas da população sem qualquer fiscalização, responsabilidade, controle e compromisso com a preservação da natureza? A preservação desta área de reserva e a sua utilidade a que se pretende o PDDU consolidar são compatíveis entre si? Se sim, qual profissional com ilibada expertise atestou esta compatibilidade?

  • Thiago Silva - 29/09/2015 13:11

    Sobre os produtos apresentados pela coordenação do Plano Salvador 500/FIPE e os produtos determinados no Termo de Referência (P1 a P11) gostaríamos de reiterar pedido de esclarecimento: No entendimento da Prefeitura, quais dos produtos anunciados no Termo de Referência foram atendidos pelas publicações de fato feitas e quais não foram? Além disso, qual é a correspondência que a Prefeitura estabelece entre os produtos publicados pela coordenação do Plano Salvador 500/FIPE e os produtos designados no Termo de Referência (produtos P1 a P11)? Durante a 9ª Audiência Pública a coordenação do Plano 500 assumiu compromisso de estabelecer essa correspondência. Aguardamos posicionamento.

  • Lidia Rocha Aguiar - 29/09/2015 13:07

    As zonas consideradas de uso exclusivamente uniresidencial pelo PDDU 2008 em áreas com infraestrutura ociosa onde há perspectivas de comércio, emprego e serviços devem ser contempladas como Zonas Predominantemente Residenciais enquadradas na Minuta do PDDU Salvador 500 como ZPR 3 de média densidade onde são admitidas edificações de uso residencial e misto, com atividades comerciais e de prestação de serviços no pavimento térreo, como é o caso da Rua das Angélicas no Parque N. S. da Luz na Pituba. Caracterizado pela Minuta do PDDU Salvador 500 como ZPR 3 de média densidade com edificações de uso misto com CAB =1,5 e CAM=1,5 (Artigo 166 b III parágrafo único) o loteamento acima não possui TAC definido por lei. Dessa forma seria permitido a alteração do zoneamento proposto pelo PDDU 2008 daquela área contemplando os anseios da coletividade da Rua das Angélicas no Parque N. S. da Luz tendo em vista a realidade local já que muitas ruas do Parque encontram-se enquadradas como residenciais, comércio e serviços.

    • Plano Salvador 500

      Olá Lídia, agradecemos por sua colaboração. Gostaríamos de esclarecer que o zoneamento será definido na revisão da LOUOS. Na minuta do PDDU 2015 (Título VIII, capitulo III) constam as tipologias de zonas e como elas se classificam para fins de enquadramento futuro das áreas da cidade. Quando da revisão da LOUOS é que se definirá o mapa do zoneamento e este deverá adotar as zonas de uso tipificadas e classificadas no PDDU a ser aprovado. A contribuição é sempre bem vinda e, no momento oportuno, será avaliada pela equipe técnica a sugestão de mudança de zoneamento nas áreas indicadas. Atte.

  • Thiago Silva - 23/09/2015 13:28

    Quero sinalizar aqui que o documento entregue à equipe técnica do plano pela COMISSÃO ESPECIAL DE ACOMPANHAMENTO E DISCUSSÃO DOS ASSUNTOS REFERENTES AO PDDU E LOUOS DA CÂMARA DE VEREADORES ainda não foi disponibilizado pela equipe técnica no site do Plano 500. Este documento foi entregue pelos próprios vereadores durante a 7ª Audiência Pública, em que Silvio Pinheiro firmou compromisso de publicar. Durante a 8ª Audiência foi feita nova cobrança por parte da plenária e novo compromisso de publicação por parte da equipe técnica, que até agora não está sendo cumprido.

Para fazer uma pergunta é necessário logar

Voltar


  • TODOS OS DIREITOS RESERVADOR AO PLANO 500